Como economizar e reduzir suas despesas



Introdução

No Brasil é uma situação muito comum termos famílias extremamente endividadas e se desdobrando para pagar suas contas. Em tempos de recessão econômica e com grandes perdas de emprego nos últimos anos, esse cenário tem mostrado ligeiro aumento.
Segundo dados da PEIC (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor), apurada pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) em 2017 61,8% das famílias no Brasil são endividadas, 26% são inadimplentes (estão com contas em atraso) e 10,1% não tem condições de arcar com suas dívidas, portanto permaneceriam inadimplentes.
As maiores contribuintes para essas dívidas, aproximadamente, são: 76% para o cartão de crédito, 20% para carnês e 13% para financiamento de carros.
Mas então vem a nossa cabeça, será que é possível se livrar das dívidas, mesmo já as tendo contraído?
As palavras de ordem são: PLANEJAMENTO FINANCEIRO.
Organização é um hábito que só se atinge com disciplina.

Como começar?

A.  Tamanho das dívidas | Saber o que está devendo, uma a uma, quando se paga por mês, qual a taxa de juros e quanto é o tamanho total da dívida é importante para conseguir priorizar qual eliminar primeiro. Faça uma planilha se ajudar.
B. Renegociar pagamentos | Tente rever com o fornecedor a possibilidade de aumento de prazos e redução de taxas de juros pois isso pode aliviar um pouco o seu comprometimento da renda mensal.
C.  Agregar dívidas | Algumas vezes juntar pequenas dívidas com taxas de juros mais altas pode ajudar a negociar pagamentos e taxas em uma dívida maior. Pesquise taxas nos bancos e financeiras. As novas startups financeiras (Fintech) podem ter boas taxas de juros.
D. Planejamento das finanças | Aqui é o tópico mais importante. Você só vai conseguir se livrar das dívidas se as suas receitas forem maiores do que suas despesas, já considerando nessas despesas os valores que você paga pelas dívidas. Não ultrapasse 30% de comprometimento da sua renda, sob duras penas de não conseguir se livrar delas.
É possível ficar longe de novas dívidas?
A resposta é SIM. Mas para isso é necessário se instaurar novos comportamentos de consumo:
1. Seu planejamento é seu guia: Se você não mantém o seu planejamento atualizado com o realizado das receitas e despesas, se não revê as despesas que planejou e se os valores ainda são válidos para o futuro, se não compara como está a sua performance de planejamento e o quanto ainda pode gastar e economizar, certamente você se verá em um cenário que gradativamente estará entrando em novas dívidas.
2. Mude seu comportamento de consumo: Não saia no shopping comprando apenas por comprar compre apenas o necessário. Aquilo em que realmente você não pode ficar sem e que cabe no seu planejamento. Pense que comprar muito ajuda você a gastar mais do que ganha, e consequentemente, aumentar suas dívidas.  Respeite sua condição financeira e tente rever itens que pode economizar um pouco.
3. Pense na melhor forma de pagar: se você não consegue pagar todo seu cartão de crédito no final do mês (melhor opção para ganhar milhas e poder viajar ou obter prêmios) opte pelo pagamento em débito, assim o dinheiro sairá da sua conta, e evitará que você gaste com o que não pode.

Mas qual dívida devo pagar primeiro?

Agora que já tenho minhas despesas equilibradas, que já mudei meu comportamento de consumo e já é possível pagar alguma dívida, qual devo pagar primeiro?
Devemos levar em consideração alguns fatores para priorizar, mas especial vamos ficar atentos à:
1o - Dívidas com juros mais altos: quanto mais alto os juros mais você precisa pagar por uma dívida. Então, acabar com ela primeiro, ajuda a maximizar seu dinheiro.
2o - Dividas que comprometem ativos: Se você já tem um bem pago (um carro, um apartamento ou outro qualquer) e esse é parte da garantia de que vai pagar a dívida, você coloca em risco ativos que já possui diminuindo seu patrimônio.
3o - Divida que compromete seu nome: Quando você compromete sua honra no mercado, certamente não poderá ter mais crédito em muitas instituições, e isso pode, de alguma forma atrapalhar o andamento do seu planejamento financeiro. A falta de crédito para aquisição de um item emergencial e importante, pode te colocar em uma situação complicada.
4o - A maior dívida:  A sua maior dívida, é aquela que mais compromete a sua capacidade de pagamento. Eliminar ela logo, é liberar parte de suas despesas para investir em outra coisa.
5o - Divida de serviços essenciais:  As contas de água, luz e gás são as primeiras aos quais você deveria estar em dia. Ficar sem esses serviços hoje em dia é extremamente complicado. Tente negociar.




E agora? Tenho outras coisas a fazer?


Agora que você já pensou em tudo: priorizou as suas dívidas, mudou seu comportamento de consumo e já está acompanhando seu planejamento financeiro e mesmo assim não está conseguindo?
Bom é hora de pensar em empreender e ter uma renda extra!
Vamos conversar caso você tenha dúvidas sobre gestão financeira ou como iniciar seu novo empreendimento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O papel do escritório de projetos (PMO) na organização

WMV no iphone

10 dicas para construção de uma EAP - Estrutura Analítica de Projeto